Cresce interesse pelo Novos Cielos e atletas terão estímulo olímpico em 2016

Wednesday, January 13, 2016


Os nadadores do Novos Cielos, projeto do Instituto Cesar Cielo, retomam a preparação para 2016, no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), em São Paulo, com uma motivação adicional: acompanhar a movimentação esportiva que o Brasil vai experimentar por causa dos Jogos Olímpicos do Rio. O técnico Luiz Fernandes Barbosa, coordenador do Novos Cielos, ainda não viveu um ano olímpico com o projeto que fecha o seu segundo ano em abril. Mas disse que os Mundiais de 2014 e 2015 e o Pan de Toronto, no ano passado, viraram motivo de muitas conversas e até de suspensão de treinos para todos verem juntos a natação, pela TV. "Imagino como vai ser com a Olimpíada", afirma Luiz.

O ano vai começar com 147 nadadores inscritos na Escolinha e categorias Mirim, Petiz, Infantil, Juvenil, Júnior e Sênior.

A expectativa para 2016 é bem positiva. Não só pelo estímulo dos Jogos Olímpicos, mas pelos resultados do projeto em 2015. Foram 139 os atletas envolvidos, a partir dos 6 anos, e 55 medalhas ganhas em 12 Paulistas e Brasileiros pelo Centro Olímpico/Novos Cielos, projeto do Instituto Cesar Cielo desenvolvido no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), uma parceria da Prefeitura de São Paulo, do Ministério do Esporte, e de empresas patrocinadoras que aplicam recursos pela Lei de Incentivo ao Esporte.

"Tem vários projetos que ensinam, mas eu achava que não é só ensinar, é dar a oportunidade para os jovens atletas competirem, que possam experimentar o esporte de verdade. A prática é legal para o desenvolvimento da criança, mas para estar no esporte de alto nível realmente é preciso de competição", afirma Cesar Cielo que criou o Instituto Cesar Cielo em 2008. O Novos Cielos é o principal projeto do ICC, no fim do segundo ano.

"O Ano II do Novos Cielos - 2015 - foi melhor do que o Ano I. E a prova disso foi o aumento no número de atletas com resultados expressivos em Paulistas e Brasileiros. Fizemos a correção de alguns pontos para termos um trabalho de excelência", comemora Luiz, que viu a situação se inverter em relação a outros anos neste início de 2016.

Mais atletas estão interessados no Novos Cielo. "Ao invés de perdermos atletas para clubes tivemos uma maior procura de fora para todas as categorias, de petiz a júnior, por causa dos nossos resultados em 2015. O pessoal vê o resultado, vem conhecer a estrutura e gosta", acrescenta Luiz.

Além disso, também pode ser apontado como fator importante para a melhoria dos resultados o fato de o projeto ter estabelecido uma metodologia de trabalho única, mas que respeita a especificidade e a maturidade de cada categoria. "Ganhamos qualidade técnica, os resultados apareceram", explicou o coordenador. Também o nível de atenção dado aos nadadores no Novos Cielos é diferenciado. Não se dá atenção apenas ao campeão. "É um grupo de trabalho forte, um ajudando o outro."

O companheirismo entre os nadadores é mais um fator destacado. Começaram a nascer líderes dentro das categorias para puxar para cima o nível técnico. "É um ajudando o outro, o que é bem bacana."

A conquista de 55 medalhas em Campeonatos Brasileiro e Paulista em 2015 e a adoção da mesma metodologia para todas as categorias são os principais destaques no balanço do Novos Cielos.

O Novos Cielos - Ano II, que acontece de abril de 2015 a abril de 2016, é uma parceria entre o Instituto Cesar Cielo, criado em 2010 pelo campeão olímpico e mundial Cesar Cielo, o governo federal (por meio da Lei de Incentivo ao Esporte), a Prefeitura de São Paulo e os patrocinadores SporTV, AB Concessões, rumo all, hth e Maksen.